Fotos - verão 2018

O tempo corre rápido, parece que foi ontem que escrevia sobre o começo do verão e já estamos no Outono, graças a Deus o verão correu bem, embora tivéssemos seca não houvera incêndios e sim muitos dias óptimas para ir à praia dar um mergulho.

Também fiz muitos trilhos, nesta foto estava num organizado pela Junta de Freguesia de Santo Espírito, dentro de programa "freguesia ecológica, fomos com um saco apanhando tudo o lixo que encontrávamos, e posso dizer que estava tudo muito limpo, só conseguimos encher 3 ou 4 sacos pequenos, realmente vivemos num paraíso, em outras ilhas onde morei encontravam-se garrafa de cerveja e latas de refrigerante por tudo lado.

Nesta foto pode-se ver a Baía da Maia, onde todos os verãos se faz o festival Maia Folk, eu tive a sorte de assistir este ano, é um lugar com uma energia especial, não sei porque lembra-me muito a Fajã d'Agua na ilha Brava de Cabo Verde:

A Baía da Maia vista desde um alcantilado cercano

Além das vistas espectaculares, as piscinas naturais e o festival Maia Folk, na Maia também cultiva-se a maravilhosa "uva de cheiro", da qual este verão comi montes dela, adorei! também o sumo feito com ela, realmente as coisas que se cultivam nesta ilha são muito boas.

Também tive tempo para fazer excursões culturais, e fui visitas as antenas que a na ilha para guiar os lançamentos de satélites desde a Guiana Francesa, assim como a estação do sistema Galileu o GPS europeu, no caminho enganei-me e terminei nesta outra antena:

antena para satélites em Santa Maria

Agora estamos toda a gente da ilha expectantes pela possível próxima construção de um porto espacial, precisamente em Malbusca, quase no quintal da minha casa, é um tema complicado, há muitas pessoas preocupadas com possíveis expropriações forçosas e/ou a perda de valor das suas propriedades imóveis (as que moram a poucos quilómetros da Malbusca), e outras, as que moram longe, que esperam ver as suas propriedades revalorizar-se.

Eu realmente não me importo muito porque a minha casa é arrendada, e há pouco tempo que moro cá, mas acho que as famílias que mais têm para perder são as que levam várias gerações cá, não só perderiam as suas casas, os seus terrenos e os seus médios de vida, mas depois tornariam-se estrangeiros na sua própria terra... talvez até em outra ilha ou mesmo no continente, mas quem sabe, o futuro só pertence a Deus.

Depois de 7 meses nesta ilha, ainda estou a descobrir trilhos e paisagens novos, este por exemplo é um que desce desde perto de Almagreira até a Praia Formosa, é fácil imaginar os carros de bois a passar lá, e a gente cheia de lama nas épocas de chuva... realmente agora a vida e materialmente mais fácil do que então:

excursão na floresta de Santa Maria

Graças a Deus, a seca do verão já terminou, e estas últimas semanas tem chovido em abundância, eu sinceramente gosto mais de ver a ilha verde do que amarela, mesmo que para caminhar pelos trilhos seja mais fácil quando está tudo seco; por não falar do abastecimento de agua para as casas, que no pior da seca tiveram que trazer agua em camiões para encher os tanques da Freguesia.

Esta outra foto e no mesmo trilho, era uma excursão organizada pelo festival "Maré de Agosto", o mais antigo ainda em activo de todo Portugal, que se celebra todos os verãos na Praia Formosa, ao pé da Malbusca:

Nacho de excursão em Santa Maria

E aqui no fundo pode-se ver a "Praia Formosa", é onde costumo ir dar um mergulho quando tenho tempo, é onde se celebra o festival do que falava antes, desde Malbusca chega-se num momento por um trilho que começa ao pé da minha casa:

Nacho com a Praia de Malbusca no fundo

Um dos inconvenientes de morar cá é que a pouca roupa para comprar, especialmente para homens, as calças da anterior foto ficam-me largas demais, mas não consegui encontrar nada melhor em toda a ilha, é típico ir comprar roupa é que só tenham tamanhos muito grandes e muito pequenos... é preciso estar atento a quando chega o navio com a roupa nova :-/

E este é o miradouro da Área de Recreio das Fontinhas, costumo ir lá às vezes desde a minha casa, há um trilho que vai quase em linha recta, é muito agradável comer lá e dar um passeio:

miradouro das Fontinhas

A zona está cheia de Criptomeras Kawaii como aquelas da floresta da Princesa Mononoke:

Criptomeras na área recreativa das Fontinhas, ilha de Santa Maria

Também estive a fazer um bocado de voluntariado, e durante dos dias ajudei nas jornadas de reciclagem e sustentabilidade ecológica da Junta de Freguesia de Santo Espírito, era uma actividade para crianças de 6 a 11 anos, foi uma experiência muito positiva que deu para conhecer melhor aos meus vizinhos mais novos.

Cá estamos a assistir a um espectáculo de malabares de um espanhol chamado Ildo, de Barcelona, realmente notava-se que estava muito forte, acho que por isso conseguia dominar tão bem a sua bicicleta, dava para perceber que tinha investido muito tempo para aperfeiçoar o seu espectáculo:

Ildo de Barcelona atuando na ilha de Santa Maria

Ah! também estive a cuidar da minha horta e o meu quintal, desde começos de Julho tive um fornecimento constante de saborosos tomates, agora já terminaram, mas tenho muitas mais coisas: cenouras, brócolos, espinafres, rabiça, rúcula... ainda não terminei de preparar a horta para o inverno, realmente poupa-se muito dinheiro e tempo cultivando a tua comida ao pé da tua casa.

Estes são os brócolos, quando terminou a seca começaram crescer muito rápido, mas depois tiveram uma praga de orugas e só consegui aproveitar uma parte:

brócoli prosperando na horta de Nacho

Bom, pois isto foi o relato do meu primeiro verão em Santa Maria e o sexto nos Açores, é incrível como corre o tempo quando se está bem num sítio.

Contato

MalBusca.PT © 2018